“A junta médica de Campo Grande está  matando os profissionais”, presidente da ACP cobra mudanças

“A junta médica de Campo Grande está  matando os profissionais”, presidente da ACP cobra mudanças
Gostou? Compartilhe nas suas redes

Durante entrevista para o programa Capital do Meio Dia, da rádio 95 FM, o professor Gilvano Kunzler Bronzoni denunciou a junta médica, nesta quinta-feira (30/3) e afirmou que na forma que está sendo conduzida “adoece ainda mais os professores” .

“Então quando você tem quatro situações dessas [de suicidio] é um alerta e já passou do momento. O que nós elencamos? Elencamos alguns pontos para que a prefeita observe, discuta com a categoria, discuta na Câmara dos Vereadores, com a sociedade. Fica nosso apelo, sabemos que tem uma agenda política em Campo Grande, mas é necessário resolver porque estamos falando de quatro que chegaram a vias de fato”, explicou o professor Gilvano.

O presidente da ACP também apontou casos de professores que atentaram contra a própria vida em momentos de desespero e classificou o número de tentativas como apavorante.

Em outro ponto Gilvano disse que a ACP irá levantar com a categoria quais são os pontos distintos que afligem os professores para que de posse desses dados o debate possa ser feito de maneira mais efetiva com a administração pública.

Junta Médica

É importante salientar que a junta médica foi desvinculada do IMPCG e quem responde por ela é a SEGES desde 2017, conforme apurado pela reportagem. Durante a entrevista na rádio, o professor Gilvano comentou sobre o assunto.

“A ACP se reuniu no mês de fevereiro com a secretária de gestão a qual a junta médica é hoje subordinada, é ligada a Secretaria de Gestão do Município. Reunimos com a secretária Graça e colocamos o seguinte ‘existe uma política do município negando o atestado?’ Porque é isso que a gente avalia, tá? Parece que a junta médica de Campo Grande está tratando a servidoria e a doença como números. Eu libero dois e mando voltar oito”, relatou Gilvano.

O presidente da ACP Gilvano voltou a solicitar um debate para discutir a gestão e planejamento para expor o que está acontecendo que leva os professores a adoecerem. Para tanto a ACP irá realizar com os servidores uma pesquisa para apresentar um levantamento concreto com dados sobre a saúde dos profissionais da educação. O segundo ponto é revisar o serviço prestado pela junta médica.

campaonews

campaonews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *