Reuniões sobre o Bolsa Família reúnem mais de 2,3 mil pessoas e aproximam comunidades dos Cras

Reuniões sobre o Bolsa Família reúnem mais de 2,3 mil pessoas e aproximam comunidades dos Cras
Gostou? Compartilhe nas suas redes

Garantir que as famílias que recebem o Bolsa Família não percam o benefício e fortaleçam o vínculo com a unidade são os objetivos das reuniões realizadas pelos 21 Cras da Capital e que só neste mês de junho já reuniram mais de 2,3 mil pessoas. Organizadas pelas equipes técnicas das unidades, as reuniões reúnem profissionais de diversos setores para esclarecer dúvidas sobre o Programa.

Em algumas unidades, participam técnicos das áreas de Educação e Saúde, setores que apresentam condicionalidades necessárias para serem cumpridas pelos beneficiários do Bolsa Família, para que os mesmos não percam o direito ao benefício.

Na área da Saúde, por exemplo, além da realização do pré-natal, o calendário nacional de vacinação das crianças precisa estar em dia, assim como o acompanhamento nutricional dos usuários com idade até sete anos incompletos.

Nesta sexta-feira (30), foi a vez da comunidade da região do Jardim Canguru ir até o Cras “Dr Fauze Duailibi”, para esclarecer as dúvidas. Além das orientações sobre as regras para manter o benefício, foi oferecida uma palestra sobre violência contra os idosos, ministrada pela equipe técnica do Creas Sul, cuja atividade marcou o encerramento do Junho Violeta.

“Nossa proposta é estar junto à população, por isso também estamos fazendo visitas às escolas da região, divulgando os serviços oferecidos pela unidade. A devolutiva tem sido muito boa”, disse a coordenadora do Cras Canguru, Marcia da Silva.

A dona-de-casa Maria de Fátima Souza, 47 anos, que tem três filhos no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, foi uma das primeiras a chegar para a reunião. “Tenho benefício e não posso perder. Preciso ficar atenta porque essa ajuda do governo é muito importante”, frisou.

Em junho, as reuniões aconteceram nos Cras Anhanduí, Noroeste, São Conrado, Rosa Adri e Los Angeles. Na opinião do coordenador do Cras Rosa Adri (Dom Antônio), Givanildo de Paula, as reuniões também são importantes para fortalecer o convívio social, troca de experiências e divulgação dos serviços oferecidos nas unidades, além de transmitir avisos de interesse da comunidade de cada território.

Na Capital, 58.943 famílias foram beneficiadas pelo Programa Bolsa Família neste mês de junho, representando um  movimento de mais de R$ 42 milhões na economia local. Em média, cada família recebeu R$ 717,80.

Quem tem direito?

Para ter direito ao Bolsa Família, a principal regra é que a renda mensal de cada pessoa da família seja de, no máximo, R$ 218,00, o que significa que, caso um integrante da família receba um salário mínimo (R$ 1.302), e essa família seja formada por seis pessoas, a renda de cada um deve ser R$ 217,00.

Como está abaixo do limite de R$ 218 por pessoa, essa família tem o direito de receber o benefício.

Para receber o Bolsa Família é preciso estar inscrito no Cadastro Único, com os dados corretos e atualizados. Esse cadastramento é feito pela Central do Cadastro Único da Secretaria Municipal de Assistência Social (SAS) e também nos 21 Cras. É preciso apresentar o CPF ou o título de eleitor.

É importante destacar que, mesmo inscrita no Cadastro Único, a família não recebe imediatamente o Bolsa Família, já que todos os meses, o Governo Federal identifica, de forma automatizada, as famílias que serão incluídas e que começarão a receber o benefício.

As famílias contempladas têm compromissos a cumprir, entre eles o de manter o Cadastro Único atualizado de acordo com a realidade da família e cumprir condicionalidades nas áreas da Saúde e Educação.

campaonews

campaonews