Alunos da Reme criam caderno de receitas com planta não convencional, a Ora Pro-Nobis

Alunos da Reme criam caderno de receitas com planta não convencional, a Ora Pro-Nobis
Gostou? Compartilhe nas suas redes
Já pensou em fazer suco, panqueca, picolé, omelete, abobrinha refogada, salada de frutas e até sanduíche, usando uma planta não convencional? Alunos da Reme, do 3° ano da Escola Municipal Darthesy Novaes Caminha, de Campo Grande, desenvolveram um caderno de receitas com a Ora Pro-Nobis, planta Panc, conhecida como não convencional. A escola está situada na Chácara das Mansões, e os moradores da região começaram a plantar a Ora Pro-Nobis depois da experiência dos alunos e com a doação de mudas por parte da escola.
O caderno de receitas foi desenvolvido no ano passado, coordenado pela professora Maria Lúcia, que não leciona mais na unidade. A proposta teve continuidade com a professora do laboratório de Ciências, Helena Borges.
A professora que assumiu o projeto explica que além da parte teórica, que foi a pesquisa e escrita das receitas, os alunos também provaram os alimentos feitos com a planta, em aula no laboratório. “A gente trabalha com eles em sala com a ortografia, pesquisa e também no laboratório, com o manuseio da planta, a pesquisa de plantio, a forma de colher”.
Segundo Helena, a Ora Pro-Nobis é um excelente anti-inflamatório e cicatrizante. Com ela, a professora e os alunos desenvolveram, inclusive, um creme dental. “A planta é gelatinosa e a gente consegue extrair o gel. O creme dental foi desenvolvido com óleo de coco. “Ainda não patenteamos, vamos fazer mais testes, mas daremos continuidade”.
A expectativa é que os moradores da região plantem mais Ora Pro-Nobis, pois os planos para o segundo semestre, são de produzir a farinha. “Queremos um dessecador e vamos começar a secar as folhas para produzirmos farinha com a folha da planta”, complementa a professora.
O aluno Benjamin de Almeida, de 10 anos, já conhecia a planta e inclusive, se alimenta dela. “Minha mãe sempre faz alguma coisa com Ora Pro-Nobis, já fez picolé, panqueca, omelete e eu gosto muito”.
Ana Beatriz, aluna do 4° ano, também ajudou na produção do caderno de receitas. “Comi a primeira vez na escola e o gosto é igual o de salsinha, é muito bom. Adoro comer na salada de frutas”.
Também do 4° ano, Helena Fereno, de 9 anos, conheceu a Ora Pro-Nobis na escola. “Eu adorei fazer parte da criação do livro e a receita que eu mais gosto da planta é a vitamina de banana com Ora Pro-Nobis”.
Helena gostou tanto, que levou uma muda para casa. A mãe dela, a guarda municipal Mariana Fereno, passou a utilizar a planta em praticamente todos os pratos que faz na cozinha. “Conheci a planta pelo projeto da escola. A gente coloca as folhas no sanduíche, na abobrinha refogada. Funciona como uma cebolinha ou salsinha. Deixa o alimento mais apetitoso e por ter muita proteína, a saciedade é maior também”, explica Mariana.
A Ora Pro -Nobis é originária do continente americano, nasce em forma de trepadeira e tem muitos espinhos. A planta dá flores brancas e as folhas possuem cerca de 25% de proteínas, das quais 85% acham-se na forma digestiva. Possui ainda vitaminas A, B e C, além de cálcio e fósforo.
campaonews

campaonews