Festas reforçam inclusão e protagonismo de usuários de unidades de acolhimento da SAS

Festas reforçam inclusão e protagonismo de usuários de unidades de acolhimento da SAS
Gostou? Compartilhe nas suas redes

Há um ano, quando seu irmão Nelson começou a frequentar o Centro Dia, a dona de casa Narelly de Assis não imaginava os resultados positivos que acarretariam no desenvolvimento emocional de Nelson, diagnosticado com autismo.

Durante a Festa da Cultura Brasileira, evento realizado este mês na unidade em alusão às festividades julinas, ela pôde comprovar a evolução do irmão e comentou sobre a importância do trabalho realizado pelos profissionais do espaço, que atualmente atende 80 famílias de pessoas com deficiência. “A socialização do meu irmão melhorou muito, agora ele interage mais e acaba conhecendo outras pessoas”, frisou.

Organizada para reunir as famílias, a festa contou com comidas típicas, apresentações musicais e até um tradicional casamento caipira. O objetivo foi mostrar aos amigos e parentes dos usuários, a importância e a qualidade do atendimento prestado às pessoas com deficiência pela Rede de Assistência Social do Município.

No Centro Dia, uma equipe multiprofissional formada por psicólogas, assistente social e terapeuta ocupacional atua para oferecer orientações, encaminhamentos para outros serviços e cuidados pessoais que visam promover a qualidade de vida, autonomia e independência das pessoas assistidas.

Animada em ver a desenvoltura da filha Emanuelle na festa, a dona de casa Maria de Lurdes Bayerstai disse que tão importante quanto o atendimento às pessoas com deficiência é o acolhimento às famílias e a oportunidade de trocar experiências com outros pais. “É excelente para eles e para nós. Aqui temos a oportunidade de ampliar nossas relações sociais e promover encontros e passeios fora daqui também”, revelou.

Na unidade ainda são oferecidas atividades como culinária, cultivo da horta, cuidado com o jardim, artesanato, banho de piscina, atividade de lazer, de exercícios físicos e musicalização. “Nós trabalhamos para dar suporte para que a família tenha condições de manter o vínculo com a pessoa com deficiência porque às vezes os parentes não têm condições estruturais de cuidar da pessoa e nós ajudamos para que não ocorra rompimentos e a família permaneça unida”, explicou a coordenadora do Centro Dia, Ninfa Antônia Fernandes Gonçalves.

“É uma satisfação ver esse trabalho reconhecido pela população porque essa gestão tem o compromisso de contribuir com a qualidade de vida dos usuários de nossas unidades. A inclusão faz a pessoa se sentir valorizada e amada”, destacou o secretário de Assistência Social, José Mário Antunes.

Respeito e autoestima

As festas típicas de julho também mobilizaram os usuários das residências inclusivas, Centro POP e unidades de acolhimento. Na UAIFA I, o evento contou com apresentação especial do cantor João do Povo, que apresentou um repertório regional. Além das comidas típicas, os acolhidos desfrutaram de brincadeiras, como pescaria e ainda tiveram a oportunidade de testar as habilidades em uma mesa de bilhar.

A coordenadora da UAIFA I, Giani Conceição da Costa, ressaltou que a festa foi elaborada para valorizar a inclusão social. “É um momento muito aguardado por eles, tanto que todos participaram da organização. Nosso objetivo é que os acolhidos também se sintam pertencentes a essas festas”, pontuou.

Feliz com os brindes ganhos na pescaria, a acolhida Thalia Bruna Oliveira participou pela primeira vez da festa na UAIFA I e foi uma das responsáveis pela decoração. “É muito bom participar porque distrai a cabeça e a gente deixa de pensar só nos problemas”, revelou.

No Centro POP, espaço onde a população em situação de rua tem a oportunidade de fazer sua higiene pessoal e refeições diárias, a equipe também preparou uma ação social com profissionais da área da beleza que aproveitaram o momento para oferecer design de sobrancelhas aos usuários.

“É muito importante trabalhar a autoestima desse público, por isso tivemos a ideia de oferecer um serviço que pode motivá-los, inclusive a aceitar um encaminhamento para uma vaga de trabalho”, disse a coordenadora Catiane Rezende.

Também aberto aos familiares dos cuidadores, foi o arraial das duas residências inclusivas, que contou com uma quadrilha animada, incentivando a socialização dos usuários. Para a coordenadora da Residência Inclusiva II, Maria Genir Belardes Reis, o fato de abrir as portas da unidade pela primeira vez às famílias, levou emoção ao evento. “Agradeço aos colaboradores e aos familiares porque pudemos mostrar o espaço e a qualidade do serviço que oferecemos aos acolhidos e a excelência do nosso trabalho”, afirmou.

campaonews

campaonews